Menu em imagem

Image Map

03 dezembro 2015

{Resenha} ~ A garota na teia de aranha - David Lagercrantz ~

Ooooiiieee pipow!
Tudo bem?
Eu espero que estejam com um humor bem lindo pra aguentar as minhas lamúrias hoje! Haha...
Lembram que contei aqui, no post da coluna ~ Li até a página 100 e... ~ que eu estava tendo sérias dificuldades de gostar de A garota na teia de aranha? Pois bem... não gostei, mesmo!
Mas, antes de mais nada, vamos aos meus motivos, né?

Quando li: Novembro, 2015.
Título: A garota na teia de aranha
Autor(a): David Lagercrantz
Editora: Companhia das letras
Páginas: 464
Avaliação: 
Sinopse: É tarde da noite e o jornalista Mikael Blomkvist recebe um telefonema. A pessoa do outro lado diz ter informações vitais à segurança dos Estados Unidos. Ela está em contato com uma jovem e brilhante hacker - uma hacker parecida com alguém que Blomkvist conhece. As implicações são assombrosas. Blomkvist, que precisa desesperadamente de um furo para a revista Millenium, pede ajuda a Lisbeth. Ela, como sempre, tem objetivos próprios. Envolvidos numa perigosa trama internacional, eles terão de lutar pelas próprias vidas enquanto enfrentam assassinos, hackers e espiões. O aguardado retorno da série Millenium é tudo o que seus fãs esperavam: explosivo, imprevisível e impossível de largar.

Eu discordo.
Não foi explosivo, muito menos imprevisível. E foi bem fácil largar.

Começamos nossa viagem conhecendo Frans Balder. Um cara bitolado com tecnologia e trabalho, mestre naquilo que faz. Nos últimos anos esteve imerso em um projeto tecnológico onde, para alegria de uns e desespero de outros, ele tentava criar um super computador com uma super inteligência - um computador cuja inteligência supera a humana. Para tanto, ele destruiu seu casamento com a atriz Hanna Balder e negligenciou os cuidados de seu filho August, um garotinho de oito anos que, além de autista, tem sérios problemas mentais. Mas, o que Balder não sabia, é que seu filho é um savant - para saber o que é um savant, clique aqui! - e, devido à sua condição de gênio autista, ele é capaz de fazer desenhos extremamente perfeitos e reais, levando em consideração equações matemáticas ao desenhar perspectivas - o que é raríssimo, pois raramente um savant que tenha dom para a arte manifesta dons matemáticos.

A pequisa de Balder foi vendida por um de seus assistentes para uma empresa chamada Solifon, e, desde então, o mundo cibernético se tornou um pandemônio. Para completar a bagunça, a NSA - National Security Agency - um órgão federal que trabalha com espionagem de telecomunicações, sobretudo internet e telefone, foi invadida por um hacker tido como perfeito, top das galáxias, que não deixa rastros. E, para completar a festa, em meio a tudo isso, há uma organização de hackers que se autodenomina The Spiders, que se dedica a roubar tecnologias avançadas e tem concentrado o seu trabalho em roubar as novas ideias de Balder para o novo super computador.

Ufa! Quanta gente! Quanto nerd! E, adivinhem só quem é esse hacker top das galáxias que invadiu a NSA? Ela mesma. Lisbeth Salander. E, como sempre, ela tem seus motivos para tanto. Ela investiga os Spiders, pois ela tem a sensação de que essa organização é composta por pessoas ligadas ao seu pai, Alexander Zalachenko. E como já sabemos, ela quer acabar com tudo - e todos! - que estejam envolvidos com o cara. Para chegar à NSA, ela primeiro ajuda Balder a descobrir quem vendeu seu projeto a Solifon. Esse é o ponto de partida para as demais informações que ela consegue ao longo da trama. Ah! E ela conta com a ajuda de August para alcançar seus objetivos! Como? Já te conto.

Antes, vamos entender o que Blomkvist tem a ver com tudo isso.
Mais uma vez a Millenium está quase quebrada. Dando seus últimos suspiros. E mais uma vez, Mikael Blomkvist precisa de um furo. Um furo daqueles, pois ele precisa tirar a revista do buraco. E, quando pensamos que ele estava ferrado, pois há anos não conseguia uma boa história, ele recebe uma ligação de alguém que diz ter um furo de reportagem para ele. Mas, desconfiado como ele só, Mikael não bota muita fé, mas ainda assim, ouve o que o garoto cheio de espinhas tem a dizer. E é então que ele conhece a história de Frans Balder. Sabe que seu projeto foi roubado e vendido a outra empresa, sabe que ele está trabalhado em uma nova ideia revolucionária, e, o que o atrai em tudo isso, sabe que uma certa moça esquisita, com muitos pirciengs, magrela e tatuada foi quem descobriu que Balder havia sido hackeado e também quem o fez. Imediatamente Mikael associa Salander à história, e por isso, busca informações acerca do assunto.

Ele entra em contato com Balder, mas não obtém retorno até uma madrugada chuvosa, onde o próprio "Professor Pardal" entra em contato com ele lhe dizendo que queria lhe contar tudo o que sabe sobre todas as invasões, e também sobre suas ideias. Mas, infelizmente, o Super Blomkvist chega tarde demais. Frans Balder foi assassinado em sua casa, na frente de seu filho, no momento em que o jornalista maravilha chega a sua casa. Mikael chega  ver a silhueta do assassino, mas nada mais. A úncia testemunha é August, que foi poupado pelo atirador. Mas como interrogar uma criança autista, com problemas mentais e que, ainda por cima, está em choque?

Agora que Balder foi eliminado e nada foi encontrado em seu computador, o alvo dessa organização criminosa é o pequeno August, pois, para a surpresa de todos, ele começa a desenhar o momento em que o pai foi assassinado. E como é do conhecimento que seus desenhos são famosos pela riqueza de detalhes, há a esperança de que ele consiga desenhar o rosto do assassino. Por isso, ele passa a ser perseguido incessantemente, mas após um atentado, ele conta com a proteção de Lisbeth Salander, que se dispõe a proteger o garoto com sua própria vida.

Nesse meio tempo, Lisbeth tem em mãos um documento criptografado com uma permutação de números primos dificílima de decifrar. Nem mesmo sua mente genial o fez. Mas talvez August possa lhe guiar nesse caminho tortuoso... será?

Fabi, senti firmeza nessa estória! Por que cargas d'água você não gostou, e, ainda por cima, meteu uma caveira na avaliação? Sua implicante!
Não.
Gente. Como eu já contei a vocês, eu sou uma grande fã da Trilogia Millenium. Pretendia até fazer resenhas dos livros anteriores, mas por falta de tempo não fiz. Enfim. Stieg Larsson, autor da trilogia, morreu antes mesmo do último livro ser publicado. Apesar disso, não sentimos como se faltasse algo na estória. Tudo ficou resolvido, tudo ficou bem amarrado. Simples assim.
Quando soube que um outro autor resolveu dar continuidade à brilhante estória de Larsson eu fiquei em choque. Primeiramente por pensar que é muito difícil para um autor conseguir seguir a mesma linha de raciocínio de um autor que não está por perto para servir de mentor para ele. E "segundamente", porque achava que era impossível alguém conseguir passar a mesma emoção que Stieg Larsson passou com seus personagens e sua trama intrincada.

E realmente não rolou, pelo menos pra mim.
Achei a narrativa até bacana apesar de ter me cansado um pouco com o excesso de termos técnicos, mas aprendi muito com a leitura. Achei que o desenrolar da estória tinha muito potencial, pois ele trouxe à tona alguns elementos citados por Larsson e que não foram explorados, mas, infelizmente, Lagercrantz não soube trabalhar com eles. Sem contar os deslizes em relação aos personagens que, na minha humilde opinião, foram grosseiros demais.

Enfim, pra mim não rolou.
Posso estar sendo crítica demais.... Implicante até! Mas não me envolveu, não me ganhou.
Talvez se ele tivesse usado uma estória diferente eu até tivesse gostado.
E, para meu desespero, vai ter continuação.
#Oremos.






15 comentários:

  1. Oi Fabíola, eu disse aqui que esperaria a sua resenha para ter a certeza se iria ler esse livro ou não mas com o seu comentário de que o livro não rolou pra você fiquei desanimada então não vou le-lo mas como sempre você faz ótimas resenhas bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fê!
      Pois é... Infelizmente eu não consegui me envolver com ESTE livro, Mas, os demais livros da série - de um a três - eu recomendo a todos! Eles são fantásticos! Mas, para mim, a série acaba no terceiro livro. Este foi desconsiderado! Rs

      Beijos!

      Excluir
  2. Oi Fabíola, tudo bem?
    É muito chato quando isto acontece! Concordo com você que deve ser bem difícil um autor continuar o trabalho de outro, sem ter o próprio para orientar. Muito difícil ele conseguir adivinhar o que o outro autor gostaria de fazer com a série. Por este motivo te entendo perfeitamente.
    E depois de ler sua opinião me certifico que a série não é pra mim.
    Ótima resenha flor.
    Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lia!
      Como falei com a Fê, a série em sia é ótima, mas até o terceiro livro. Os livros escritos pelo autor original - Stieg Larsson - são fantásticos! De longe, a melhor trilogia que eu já li.
      Para mim, ela acabou no terceiro livro e esse nada mais é do que um intruso.

      Beijos!

      Excluir
  3. É sempre complicado e uma tarefada arriscada quando um autor tenta continuar o trabalho de outro, na minha sincera opinião, tem mais chance de dar errado do que certo, e é isso que você, infelizmente, observou com esse livro :( Uma pena!
    Leitora nova aqui, estou adorando o conteúdo do blog e a forma como você coloca sua opinião!!!!!
    Beijos.
    Criei um blog, recentemente, para falar sobre cinema, series, cultura e artes no geral, se puder dá uma passadinha ficaria muito feliz: http://cineleva.blogspot.com.br/ :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Willma, seja bem-vinda!

      Então, julgo que seja complicadíssimo dar continuidade a algo que não se tem total conhecimento e ainda ter qualidade tão boa quanto a trilogia original. É uma pena. Acho que o autor é bom, mas foi infeliz na escolha da série...

      Vou visitar seu blog sim!
      E agradeço pela sua visita. Espero vê-la por aqui sempre!

      Beijos!

      Excluir
  4. oooiiiiiii Fa.....
    nao entendi muito bem a resenha...tenho que ler Milleniun?????bom mais pelo que eu entendi o livro fala muito de tecnologias e essas coisas.....que nem vc falou:"quanto nerde..."......kkkkkk.....entao nao pretendo ler tao cedo....mesmo assim gostei da resenha nao do livro.....bjssss...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Karol, o livro foi escrito baseadamente em uma trilogia lançada por outro autor, que infelizmente já faleceu. Como ela foi um grande sucesso, Lagercrantz resolveu dar continuidade à trama... mas não rolou, sabe. Eu super indico a trilogia! Esse quarto livro realmente não condiz muito com o restante. Para mim, a série acabou no último livro, A rainha do castelo de ar.

      Beijos!

      Excluir
  5. Devido a influencia de muitas, muitas mesmo, amigas decidi ler essa trilogia que não estava em minha lista. Depois vi essa continuação pretensiosa, mas resenha apos resenha me pego pensando que não vou embarcar. Vou fingir que a história termina com a trilogia e ponto.

    Pandora
    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pandora, a trilogia é fantástica!
      Mas esse quarto livro.... foi pretensiosa, a palavra que vc usou descreve exatamente o que ela é.
      Para mim, a trilogia continua sendo TRILOGIA. Acaba em A rainha do castelo de ar. Fim.

      Beijos!

      Excluir
  6. eu fico tao triste quando isso acontece comigo!!! tenho tanta pena de largar um livro na prateleira!!!
    Mais tem uns que não vão nem para frente nem para trás sabe?!!!
    Mais!!! bola para frente né!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também fico super chateada, Kakau.
      E não abandonar esse livro foi complicado. Por várias vezes eu quis largar pra lá e começar outro!
      Mas a trilogia super a vale a pena!
      Se vc gota e suspense policial, se joga na TRILOGIA Millenium e esqueça esse quarto livro! Rs...

      Beijos!

      Excluir
  7. ah Fabi não acredito que não gostou mesmo.... mas acho q nessa vou na sua... pq por mais que o caixa de pássaros foi bom... não foi tão bom assim... nem vou arriscar esse

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser que nossas opiniões sejam divergentes em relação a este livro também, Aline, apesar de termos pensado em Caixa de Pássaros da mesma forma.
      Mas, para mim, a trilogia continua sendo só a trilogia. Esse livro foi apenas mais um que não acrescentou em nada na trama...

      Beijos!

      Excluir
  8. Oi Fabi :)
    Eu morro de vontade de ler a Trilogia Millenium até porque uma amiga com um gosto bem parecido com o meu leu e adora.
    Quando fiquei sabendo que outro autor ia dar segmento a série confesso que fiquei apreensiva e pelo jeito tive motivos. Eu sinceramente não entendo como a família dele permitiu ainda mais sendo que pelo que você disse a trilogia acabou sem pontas... vai saber.

    Beijos

    ResponderExcluir

© PAUSA PARA PITACOS - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: RENATA MASSA | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo