Menu em imagem

Image Map

09 outubro 2017

{Tem na Netflix} ~ Jogo Perigoso ~

Oieee,  gente!
Como estão?

Hoje eu vim pra falar sobre mais uma adaptação feita pela nossa queridíssima Netflix. Dia desses falamos sobre uma delas, Death Note, que foi baseada em um anime que eu adoro. Ela foi um tanto quanto decepcionante, mas a adaptação de Jogo Perigoso, apagou a má impressão que a anterior deixou.



Quando assisti: Outubro, 2017.
Título: Jogo Perigoso (Gerald's Game)
Gênero: Suspense / Terror
Classificação: Não definido
Estreou em: 29 de setembro de 2017
Duração: 1:43:24
Avaliação: 
Clique aqui para assistir ~
Sinopse: Gerald e Jessie vão para uma casa afastada buscando aproveitar um momento romântico que envolve jogos sexuais. Depois de ser algemada na cama, Jessie participa dos jogos do marido, até que a situação tem uma mudança trágica. Ela é deixada amarrada e sozinha com suas memórias dolorosas da infância, um cachorro de rua faminto, as vozes em sua mente, e, possivelmente, alguém que a observa do canto escuro do quarto.

Stephen King, meu muso mor, está em alta no mercado, não é mesmo? Vira e mexe tem algo do rei ganhando os holofotes, e é claro que a Netflix não ia perder a oportunidade de ter seu nomezinho carimbado em uma adaptação do cara. Como sempre, o medo de rolar uma cagada deslizada básica foi grande, mas fiquei feliz com o resultado.

Gerald's game - ou Jogo Perigoso - foi adaptado de um livro homônimo, escrito por King e publicado em 1992. Ele conta a história de um casal que vai para uma casa de campo a fim de tentar salvar seu casamento. Para tanto, Gerald propõe jogos sexuais bizarros envolvendo a simulação de um estupro. Inicialmente Jessie não entende bem as intenções do marido, mesmo achando estranho e desconfortável o fato de estar algemada à cama. Quando Ger começa o jogo, ela se enfurece, e o que era para ser uma tarde/noite de amor (se é que se pode chamar essa fantasia escrota de amor), acaba se tornando um pesadelo.

Após tomar um comprimidinho azul - se é que me entendem -, Gerald vai todo saliente para o lado de sua esposa, que inicialmente se deixa levar. Quando as coisas ficam extremas demais, ela faz com que ele pare, e durante uma discussão acalorada, o cara sofre um ataque cardíaco. Puuuf, já era. Bye, Gerald Escrotão.

Ele cai por cima de Jessie, que por sua vez, acaba derrubando-o no chão enquanto tenta reanimá-lo se contorcendo por baixo dele. Na queda, algo acontece com sua cabeça, e uma enorme poça de sangue se forma. Por que estou sendo tão específica sobre o sangue? Bem, esse sangue atrai companhia para Jessie. Um cão de rua entra de fininho na casa e começa a se banquetear com aquele corpo fresquinho. E este é o cenário: uma mulher presa à cama, sem poder se movimentar direito, sem condições de pedir ajuda, tendo como companhia um cadáver e um cão faminto.


Jogo Perigoso não é somente um longa sobre sobrevivência. Aliás, ao  meu ver, essa é a última das coisas que ele pode ser. A história é sobre aquilo que Stephen King faz de melhor: suspense/terror psicológico. Sua fama o precede, como é sabido, e a trama do filme não deixou a desejar nesse quesito, embora tenha forçado um pouco a barra às vezes, fazendo com que alguns diálogos ficassem um bocado enfadonhos. Mas calma lá, já vamos falar direito sobre isso.

Quando Jessie começa a sofrer os primeiros sintomas da desidratação e do pânico de tudo o que aconteceu ali, ela começa a delirar, e enquanto definha, ela tem alucinações. Em uma delas, Gerald aparece vivinho da Silva, e uma longa DR começa. Mas essa DR não é só sobre o casamento deles, não. O passado da moça vem à tona, e é nesse momento que um outro "eu" de Jessie entra na discussão, tentando ajudá-la não somente a se libertar das algemas, mas também a manter a sanidade e, acima de tudo, a enfrentar seus fantasmas do passado.


Quando criança, durante um eclipse total do sol, em uma casa de campo, Jessie foi abusada pelo pai. Aquele que deveria protegê-la dos monstros, acabou se tornando um. Tais acontecimentos acabaram fazendo dela uma mulher introspectiva que, hipoteticamente, sempre esteve presa ao pai e àquele ato hediondo cometido por ele. Gerald, seu esposo, é a prova disso. Ele é mais velho que ela, dominador, tem fetiches absurdos e é a prova de que o nosso passado pode sim nos influenciar para sempre.

Além de toda essa discussão sobre o passado, outro elemento surge para deixar a mente de Jessie ainda mais maluca. Um ser aparentemente sobrenatural chamado por Gerald e ela de "Homem de Luar" aparece a noite para assombrá-la de um canto escuro do quarto. Agora, além de enfrentar os terrores do seu passado, ela precisa lidar com essa criatura que traz ainda mais horror para o seu presente.

Acho que a palavra que melhor define este filme é angustiante. Eu passei o tempo inteiro brigando com a moça para que ela se livrasse daquelas algemas logo. Ficava gritando - mentalmente - uma série de possíveis maneiras de se livrar delas, mandava Gerald calar a boca, brigava com seu pai em todos os flashbacks que ela teve. Eu xingava o cachorro, mandava ele deixar de ser maluco e sair dali correndo para caçar um coelho. E, minha gente, quando Jessie finalmente encontra uma maneira de se libertar, a angústia foi ainda maior. Essa cena foi sensacional, extremamente bem feita e bem interpretada. Chegou a me dar asco, de verdade.

Falei ali em cima que em alguns momentos os diálogos foram meio enfadonhos, né. Bem, o que acontece é que Gerald se torna um chato de galochas em determinado ponto. Acho que poderiam ter focado mais no passado de Jessie e feito com que esse fanfarrão falasse menos. Fanfarrão por fanfarrão, era preferível escutar o escroto de seu pai, pois assim, provavelmente Jessie teria mais facilidade de visualizar todos os danos que aquele dia do eclipse causou à sua vida.

E o final? Ah, o final não foi tudo aquilo não, é fato, mas para mim, foi até satisfatório. O que era tido como sobrenatural foi explicado e foi bem surpreendente, e por isso, só por isso, que não vou dizer que o final foi um lixo. Aliás, só por isso não. A cena em que ela se liberta das algemas acontece já nos finalmentes, e essa cena, como eu já disse, foi fantástica.

Eu não li o livro, então, não posso fazer uma comparação entre filme e livro, mas como uma fã das obras de King, posso dizer que a proposta dele foi bem desenvolvida no longa. A essência do terror psicológico foi bem captada e desenvolvida, causando aquele horror que incomoda, mas que nem sempre impacta a todos. Se você espera um filme com muito sangue, muita ação e muitas reviravoltas, então, procure outro. Este aqui é para aqueles que sabem que a mente é a mais aterrorizante das criaturas.


Essa resenha também faz parte do nosso especial Mês do Horror, hein. Acho que já deu para perceber que eu estou amando falar tanto sobre o tema, não é mesmo? Mas podem ficar tranquilos que nem só de terror este blog viverá nos próximos dias, rs! Já já daremos um jeitinho de aliviar as coisas por aqui, fiquem ligadinhos.

Antes do meu último ponto final de hoje, gostaria de recomendar fortemente este filme! Ele foi uma surpresa feliz, e tenho certeza que os fãs de horror e, principalmente, os fãs de King, irão curtir bastante.



42 comentários:

  1. Olá Fabiola, tudo bem?

    Eu e a patroa estávamos falando desse filme no final de semana, vimos o trailer e provavelmente vamos assisti-lo nos próximos dias. Tio King é fera, os filmes dele são muito loucos, provocam mil e uma sensações e nojos diferentes na gente, mas não tem como desgrudar da tela!

    Gostei da sua resenha, acho que vamos curtir o filme!

    Abraço!
    Marcelo Brinker
    Leitura Kriativa
    http://leiturakriativa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se tem o dedo de King, sem dúvidas, será no mínimo inquietante, não é mesmo, Marcelo?
      Espero que gostem e que venham aqui me contar o que acharam da adaptação!

      Beijocas

      Excluir
  2. Eu assisti o trailer desse filme quando ele estava para estreiar e fiquei com muita vontade de assistir, mas ai eu fiz a burrice de tentar começar a assistir a série nova do King, O Nevoeiro, e acredite, eu, Alessandra, aquela que odeia largar série no meio que nem com livro, largou a série no primeiro episódio de tão ruim que foi. Por esse motivo a Netflix perdeu uns pontinhos comigo em relação a adaptação do King, imaginei que a cagada tinha se estendido ao filme tbm, mas como agora vc deu aquela moral pro filme eu vou dar uma chance pra ele e dps que eu ver eu te digo o que achei.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vem me contar o que achou mesmo, Alleh!
      Eu estava desacreditada das adaptações da Netflix depois de ter me decepcionado com Death Note, mas valeu a pena dar mais uma chance, rs!

      Beijocas

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Fabi!
    Ainda não assisti esse filme, mas ele já está na listinha da Netflix pra conferir.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe das promoções em andamento e ganhe prêmios maravilhosos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tomara que goste, Lu!
      Depois vem me contar o que achou!

      Beijocas

      Excluir
  5. Oi Fabiola!
    Eu cheguei a ve algumas cenas desse filme quando uma amiga tava assistindo e confesso que para mim nao da. Sinceramente. Fiquei agoniado com ela tentando tirar a mao da algema.

    Abraços
    David
    https://territoriogeeknerd.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A palavra que descreve esse filme é exatamente essa, David: Agonia!
      Do início ao fim!
      Confesso que esse é meu tipo preferido de filme, rs!

      Beijocas

      Excluir
  6. Olá! Passando pra dizer que indiquei seu blog ao Versatile Blogger Awards!
    :)
    Se quiser conferir, o post é esse aqui

    https://noitedobardo.wordpress.com/2017/10/09/versatile-blogger-awards/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pela indicação, Mih!
      <3
      Irei correndo lá para ver!

      Beijocas

      Excluir
  7. Oi! Já vi esse filme no catalogo, mas não assisti, não faz meu estilo. Bjos <3

    Click Literário

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que pena que não faz seu estilo... quem sabe numa próxima oportunidade as coisas não mudam, né? Rsrrs

      Beijocas

      Excluir
  8. Oi Fabi, só de ler a sinopse do livro eu fiquei agoniada rs Espero ter coragem pra ver o filme, King está em alta e qualquer adaptação dele acho que vale a pena conferir!

    Bjs, Mi

    http://oquetemnanossaestante.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Super vale a pena mesmo, Mi!
      E como eu falei ali em cima, sem dúvidas, agonia é a palavra que melhor descreve essa adaptação!

      Beijocas

      Excluir
  9. Eu assistir o trailer desse filme, mais não sei se faz o meu tipo, me deixou um pouco mal, más confesso que death note foi decepcionante, esperava mais do filme

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também suuuuper esperava mais de Death Note, Ju!
      Ainda mais quando eu vi a cara medonha que o Ryuk ficou! Achei super mara aquela caracterização! Mas o resto... pffff!

      Beijocas

      Excluir
  10. Oi Fabi!

    A adaptação foi bem fiel ao livro,cortando algumas partes,é verdade.
    Só não gostei da escolha dos atores,eles não me convenceram.
    Mas a adaptação em si ficou muito boa,com o toque do King em várias partes.
    Beijos!

    http://livreirocultural.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu achei a escolha ruim também, Cláudio! Mas ainda assim, gostei bastante do resultado. Finalmente uma bola dentro da Netflix! Rs

      Beijocas

      Excluir
  11. Oi Fabi, tudo bem?
    Eu tenho sentimentos contraditórios em relação a este filme. Ao mesmo tempo que quero assistir, eu já prevejo a agonia que vou sentir de ver a mulher naquela situação. Li outra resenha que também falava sobre o final como sendo algo morno. Vou pensar se assisto.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É preciso ponderar mesmo, Lara! Realmente a agonia é grande... muuuuito grande! E o final realmente merecia ser melhor. Mas, no fim das contas, achei bem ok!

      Beijocas

      Excluir
  12. Aproveitando o hype das adaptações do King acho que vou dar uma chance. Curto muito esses suspenses psicológicos (que as vezes podem mesmo ser mais intensos que os horrores mais gore). Não li o livro também mas espero que seja melhor que a série "O Nevoeiro" que foi meio decepcionante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu ainda não assisti "O Nevoeiro" exatamente por ter ouvido tanta gente falando que não foi boa, Marcos!
      E, sem dúvidas, gosto muito mais de terror psicológico do que o gore! Adoro ambos, mas o primeiro é, sem dúvidas, muito mais aterrorizante!

      Beijocas

      Excluir
  13. Oi Fabi....Como já comentei por aqio, confesso que este gênero não é meu preferido ( apesar dessa resenha tão bem escrita do filme). Fui de curiosa só olhar o trailer e já fiquei com medo. Mas sem dúvida vou passar essa dica para meu namorado que é fã de filmes de terror.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mi, uma pena vc não gostar do gênero, pois eu adoro demais, rs!
      Mas passa a dica pro namorado e depois vem em contar o que ele achou. Espero que ele goste tanto quanto eu!

      Beijocas

      Excluir
  14. Oi, Fabi! Com certeza angustiante é uma palavra que define esse filme (que eu nem assisti, mas ja sei o que esperar). As ultimas adaptações da Netflix foram uma porcaria (principalmente com O nevoeiro), mas que bom que dessa vez ela deu uma melhorada para se redmir. Pretendo assistir em breve! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tô até com medo de assistir O nevoeiro, Gabi!
      Acho que nem vou arriscar. O povo tá falando muuuuito mal!
      Mas dessa vez a Netflix deu uma bola dentro. A adaptação ficou realmente bem boa!

      Beijocas

      Excluir
  15. Oi,
    Assisti esse filme na última quinta com meu excelentíssimo e somos fãs do King e como você nosso medo de"cagarem" era grande, mas não me decepcionei não.Principalmente porque eu adoro o jeito como o king cria seus personagens eles nunca são apenas pessoas naquele momento, eles sempre tem um passado ou alguma coisa que incomoda e isso é uma das coisas que me fascina.Agora menina aquela cena da algema eu não consegui olhar não.sério me deu muitas "coisas" e pedi para marido me avisar quando terminasse não gosto de coisas assim parece que está acontecendo comigo. ótima dica.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    leiturakriativa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Raquel! Realmente o poder de construção de personagens do King faz tudo ficar ainda melhor, né?
      Amo muiiiiito!
      E quanto a cena da algema.. menina... eu fiquei vidrada, mas fazendo caretas, e falando "aiaiiaiaia" repetidas vezes, rs!

      Beijocas

      Excluir
  16. Acabei vendo este filme assim que começaram as divulgações. Amo o trabalho do Mestre King e foi bom demais ver este clássico nessa nova roupagem no cinema.
    Claro, não tem comparação com o antigo, mas foi e é muito bom! Talvez eu não tenha ido com a fuça da atriz..rs
    Mas não há como negar que a mente de King é algo fascinante, que literalmente, nos joga dentro do enredo, sem perguntar se queremos ou não.
    O misto de sentimentos é assustador!
    Recomendadíssimo!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina, acho que geral não foi com a cara dessa atriz, viu. Achei ela muito sem expressão.
      Mas a adaptação ficou tão boa que nem isso feriu a trama!

      Beijocas

      Excluir
  17. Oi Fah!
    Eu vi o trailer da adaptação, e já tinha colocado na lista para assistir. De fato, o terror psicológico do King é maravilhoso, dos livros que eu li, e das adaptações que eu assisti, todos me conquistaram, o cara é incrível né?!
    Vi nos comentários falando sobre O nevoeiro, de fato, eu não gostei, amo o livro e o filme (que foi a primeira adaptação), mas a série não me ganhou não, uma pena.
    Achei interessante a parte do passado da Jessie, é algo a mais para conquistar o leitor.
    Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo que vem de King me deixa de olhos brilhantes, mas O nevoeiro, não. Pena, né? Tinha tudo pra ser maravilhoso!
      Tomara que assista Jogos Perigosos logo e que goste tanto quanto eu. Ficou muuuuito perturbador!

      Beijcoas

      Excluir
    2. Fah!!!
      Assisti ontem, e que filme ...
      Eu também adorei, só a parte do Homem do Luar não me convenceu mto, eu entendo o propósito dele é tal, mas não consigo entender porque ele °Spoiler° não matou ela! Fora isso, as atuações foram maravilhosas! A cena que ela se liberta é mesmo angustiante! Aiii ..
      Bj :*

      Excluir
    3. Também não entendi pq ele não a matou... ficou bem vago isso, né? Mas de resto, achei sensacional e fico feliz demais por vc ter gostado! E princialmente por ter voltado aqui pra me contar. Muito amor envolvido!

      Beijocas

      Excluir
  18. Olá...
    Eu nunca vi esse livro de S.K. e estou bem interessada em assistir o filme...gente é uma história que nunca vi nada parecido com isso...acho que a cena do cachorro comendo corpo do cara vai ser muito forte pra mim...e o fato da protagonista estar presa e não ter com comer ou beber e ela começar a definhar e delirar torna tudo ainda mais macabro...bem obg por me mostrar essa adaptação que eu não conhecia..
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Karol, como já mencionei várias vezes aqui, a palavra que define tudo isso aqui é AGONIA.
      E realmente, a parte do cachorro comendo o corpo é bem desconcertante. A gente acaba brigando com ele, mandando ele sair, parar, assim como a protagonista, rs!

      Beijocas

      Excluir
  19. Olá...
    Eu nunca vi esse livro de S.K. e estou bem interessada em assistir o filme...gente é uma história que nunca vi nada parecido com isso...acho que a cena do cachorro comendo corpo do cara vai ser muito forte pra mim...e o fato da protagonista estar presa e não ter com comer ou beber e ela começar a definhar e delirar torna tudo ainda mais macabro...bem obg por me mostrar essa adaptação que eu não conhecia..
    Bjs

    ResponderExcluir
  20. Oi Fabi.
    Eu ainda não li o livro e nem assistir o filme e já estou angustiada pela história.
    Eu sou uma pessoa medrosa, não nego e situações assim, como certeza me deixaria em panico, mesmo que se trata-se de um filme, eu não sabia do histórico de abuso do seu pai, isso é bem triste, mas só mostra, como o nosso passado, influencia nossas escolhas, achei uma pena o fato de que achou os diálogos chatos, mas infelizmente acontece, eu quero muito ler e assistir e descobrir como ela consegue se livrar das algemas.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  21. Que livro doido! So conhecia por nome, mas não tinha lido nenhuma resenha sobre ele. E realmente parece ser angustiante, mas quero ler assim mesmo. Sou fã de King, mesmo que algumas història não fazem muito sentido.

    ResponderExcluir
  22. Oi, Fabi!!
    Gostei muito da critica do filme, ainda não o assisti por falta de tempo mesmo e também estava assistindo a segunda temporada de Stranger Things. Mas pretendo nesse final de semana esse filme e também 1922 ambos baseados em livros do mestre Stephen King.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  23. Olá!
    Gente, King sabe muito bem como escrever uma historia, pela adaptação me pareceu a historia muito ótima, não li ainda mas me deixou aquele desejo enorme de ler, por mais que eu queira ler todos os livros deles. Eu não tenho conta na Netflix, mas me deixou bem que curiosa para assistir esse filme.

    Meu Blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir

© PAUSA PARA PITACOS - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: RENATA MASSA | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo